sexta-feira, 28 de dezembro de 2018
Tamanho da fonte A+ A-

Futebol Profissional

Tour pelo Norte

Nova Iguaçu visita o Macaé no primeiro de dois jogos seguidos no Norte do Rio

Depois da vitória sobre o Goytacaz na estreia por 2 a 1, no Laranjão, o Nova Iguaçu inicia a partir deste fim de semana uma sequência de dois jogos seguidos fora de casa no Norte do Rio de Janeiro. Neste sábado, o Orgulho da Baixada encara o Macaé, às 16h, no Estádio Cláudio Moacyr de Azevedo. Depois, no dia 6, vai até Cardoso Moreira enfrentar o Americano.

Para o duelo deste sábado, o técnico Marcelo Salles projeta um compromisso complicado. Na primeira rodada, a equipe macaense foi até o Estádio do Trabalhador e arrancou um empate em 1 a 1 com o Resende. O Macaé, por sinal, foi, ao lado do Nova Iguaçu, a equipe que teve de disputar esta fase preliminar por ter ficado entre os dois últimos no último Estadual.

Marcelo Salles orienta os jogadores na estreia diante do Goytacaz (FOTO: Bernardo Gleizer/NIFC)

- Analisamos o jogo do Macaé contra o Resende, são duas equipes muito bem treinadas. O Zaluar é um amigo, um profissional experiente, sabemos que ele pode tentar nos surpreender. Trabalhamos com alguns jogadores de lá, outros jogamos contra, então sabemos das qualidades deles. A Seletiva é um campeonato muito apertado, qualquer detalhe pode decidir uma partida. Estamos nos preparando, nos capacitando para tentar sair do jogo com os três pontos que serão muito importantes para a nossa classificação – afirmou Marcelo Salles.

Em relação ao jogo da primeira rodada, que terminou com vitória laranja diante do Goytacaz, Marcelo Salles tratou de dar os méritos ao grupo pelos três pontos obtidos. Em caso de nova vitória neste sábado, o Nova Iguaçu pode reassumir a liderança isolada desta fase preliminar. Somente os dois primeiros colocados avançam à fase principal do Campeonato Carioca de 2019.

- É sempre o grupo o fator preponderante. Vejo desde o primeiro dia em que chegamos aqui o trabalho que os jogadores vêm fazendo. O mérito é todo deles. Tenho noção do grupo que eu tenho, com jogadores como Edu, Andrezinho, Jefferson, enfim, todo o grupo. Cada um sabe da sua importância, os que começam, os que terminam têm o mesmo objetivo. Não há vaidade. Ninguém querendo aparecer e todo mundo aparecendo, esse é o fator preponderante – disse.

Bernardo Gleizer