sexta-feira, 21 de março de 2014
Tamanho da fonte A+ A-

Futebol Profissional

Vale muito

Sem maiores aspirações, Nova Iguaçu enfrenta o Botafogo com técnico interino e em busca da melhor campanha da história

Depois de um início promissor, o Nova Iguaçu deixou escapar vitórias importantes e perdeu rendimento na reta final do Campeonato Carioca, não tendo mais chances de vaga nas semifinais ou de classificação para a Série D do Campeonato Brasileiro. Entretanto, a Laranja da Baixada encara o confronto contra o Botafogo, neste sábado, às 15h45, em Moça Bonita, como importantíssimo.

O Nova Iguaçu terá a oportunidade de marcar sua melhor campanha na história da Primeira Divisão do Estadual, superando os 18 pontos conquistados em 2011. Para isso, precisa de pelo menos um empate contra a equipe alvinegra. Além disso, o NIFC pode terminar o Carioca na sua melhor posição em todos os tempos – até aqui, a melhor colocação foi o nono lugar, em 2011 e 2012.

Carlos Vitor terá a segunda oportunidade como técnico neste Carioca (FOTO: Bernardo Gleizer/NIFC)

Esse foi o tema da conversa do técnico Carlos Vitor com o elenco profissional durante os treinos da semana. Cal, como é conhecido no clube, assumiu o comando da equipe depois da saída de Edson Souza, na segunda-feira. Ele admite que o principal trabalho foi mais psicológico do que propriamente técnico ou tático.

- Conversamos muito com os jogadores para motivá-los, porque o futebol sempre pode surpreender e você precisa estar focado. Somar pontos é sempre importante, e ainda temos a possibilidade de bater o recorde de pontos de 2011. Além disso, esse jogo é importante até em termos de autoestima, porque a equipe sentiu os resultados negativos recentes – afirmou.

A partida diante do Botafogo também terá um significado especial para Carlos Vitor. Auxiliar permanente do profissional, ele terá a oportunidade de comandar a equipe pela segunda vez no ano – a primeira foi contra o Macaé, quando Edson Souza estava suspenso. Cal trabalha na comissão técnica do clube desde 2000 e foi o treinador da equipe de juniores campeã do Torneio OPG em 2008.

- É um jogo especial, sim. É importante, fico muito grato pela confiança que me foi depositada, são muitos anos trabalhando aqui como auxiliar-técnico. Vai rolar um friozinho na barriga, e isso faz parte. Quem é envolvido com futebol sempre estará sujeito a esse tipo de ansiedade – finalizou.