terça-feira, 16 de julho de 2013
Tamanho da fonte A+ A-

Futebol Profissional

Mais acertos do que erros

Marcelo Salles e o goleiro Jefferson descartam caça às bruxas e citam pontos positivos na derrota para o Aracruz

Gláuber protege a bola: meia-atacante foi um dos que entraram no segundo tempo contra o Aracruz

A derrota para o Aracruz no último domingo, no Laranjão, não estava nos planos do Nova Iguaçu neste Série D. Em caso de vitória, a Laranja da Baixada assumiria a liderança isolada do Grupo A6, mantendo os 100% de aproveitamento, mas acabou terminando a rodada na vice-liderança, empatado com o Resende.

Apesar do tropeço, o discurso não é de terra arrasada. O goleiro Jefferson, um dos mais experientes do elenco, elogiou o segundo tempo da equipe diante do Aracruz, quando o Nova Iguaçu colocou duas bolas na trave do Aracruz, e espera que o time utilize a etapa final como exemplo para o duelo contra o Tupi, sábado, em Juiz de Fora.

- Não contávamos com essa derrota em casa, vínhamos de duas vitórias excelentes. Nosso primeiro tempo não foi o primeiro tempo de uma equipe que está brigando por uma classificação. Pecamos no primeiro tempo, mas nem tudo está perdido. Nosso segundo tempo foi muito bom e é nisso que vamos nos escorar a semana toda para trabalhar e enfrentar o Tupi – disse o camisa 1.

O técnico Marcelo Salles fez coro com o goleiro iguaçuano. Para o treinador, a atuação do Nova Iguaçu foi satisfatória numa análise mais geral, lamentando-se apenas a falta de sorte nas finalizações – além das duas bolas na trave, o goleiro do Aracruz, Hiran, fez ao menos duas grandes defesas e impediu a vitória laranja.

- Poderíamos ter saído com um resultado melhor, mas sabíamos da qualidade do Aracruz. A questão foi que num momento ou outro o jogador poderia ter tirado um pouco mais ou um pouco menos e não teve a felicidade de concluir. Dentro do trabalho, tudo que foi proposto conseguimos fazer, as substituições surtiram efeito e esperamos que no próximo jogo tenhamos mais sorte e que a bola entre – avaliou.